As 10 (dez) escolas vencedoras receberão inteiramente grátis e instalado, um SISTEMA COMPLETO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA – 2,5 kWp!

GRANDE GINCANA CULTURAL

XÔ DESPERDÍCIO!

PRIMEIRA TAREFA - PERÍODO: DE 12/06/2017 A 22/06/2017

Taubaté

Como nasceu a frase que ainda
é uma ótima receita para qualquer nação.

Quem não conhece Emília, Narizinho, Tia Anastácia? Esses e mais um mundo de personagens que todos adoramos nasceram da cabeça de um taubateano ilustríssimo: Monteiro Lobato, que nasceu José Renato de Monteiro Lobato, mas mudou o nome para José Bento de Monteiro Lobato só para usar uma bengala do pai com as iniciais: JBML. Pode? Pode, sim. Com esse brasileiro tudo podia. Escrever, desenhar, editar, publicar, vender, polemizar – o talento de Monteiro Lobato dava para tudo.

Nascido em Taubaté em 18 de abril de 1882, cresceu na fazenda Buquiri, do avô, e aos 13 anos veio estudar em São Paulo, onde se formaria em direito.

Não queria nada com a advocacia, fez para agradar a família. Jogou o diploma no cofre e foi à luta. Ele sempre gostou de escrever, mas depois da faculdade, tomou definitivamente gosto pela coisa, e deu no que deu: tornou-se não só o maior escritor brasileiro de seu tempo, como foi também o maior editor. Naquela época o Brasil inteiro tinha 30 livrarias! Por isso era muito difícil um livro vender mais do que 300 ou 400 exemplares. Num lance genial, o pai de Emília foi aos Correios e conseguiu uma lista de estabelecimentos comerciais em todo o Brasil. Escolheu uns tantos e mandou para cada um exemplares de livros que ele mesmo publicara em sua editora. A todos enviou uma carta avisando que se vendessem os livros teriam uma participação no lucro. Ao final da carta lançava a frase que faria história: Um país se faz com homens e livros. Não deu erro: em pouco tempo passou a vender 10 vezes mais que seus concorrentes. Passou a publicar 5, 6 livros por mês e em menos de dois anos, em 1919, fundou uma a primeira editora brasileira dedicada a publicar livros de jovens autores brasileiros: Monteiro Lobato & Cia.

 

Das palavras indígenas Taba (casa, aldeia)  e  eté (legítima, verdadeira) nasceu Taubaté com o significado de Aldeia Legítima, Aldeia Verdadeira.

População total: 278.686

Área em Km2: 625

Densidade demográfica: 445

A industrialização chegou cedo à Taubaté. Já em 1891 a Companhia Taubaté Industrial iniciava suas atividades produzindo tecidos de algodão. Na década de 70 grandes indústrias estabeleceram-se  no município, com destaque para montadoras de veículos como a Volkswagem e a Ford. Hoje a cidade é um dos maiores centros comerciais e industriais do interior de São Paulo.

História

Tente imaginar um grupo de famíias, com toda sua mudança colocada no lombo de mulas, acompanhadas por centenas de escravos índios, gado, animais domésticos, todos encarando os insetos e as cobras, a chuva e a lama da Mata Atlântica. Sem estradas, claro. Em 1639.  Dureza, não? A coisa fica pior ainda se lembrarmos que o destino de todos, só  Jacques Félix, o líder, conhecia, ou melhor: tinha uma vaga noção...

Mas, na verdade, poucas pessoas no Brasil daquela época estavam mais capacitadas para tal empreitada. Jacques Félix era um paulistano que sabia tudo do sertão e estava acostumado a desbravar o mato atrás de riquezas. E assim foi. Não se sabe precisamente quando, mas em algum dia entre o final de 1639 e 1640, chegaram todos, sãos e salvos, ao local conhecido por Tab-a-etê (veja nome do município) . Em apenas cinco anos, em 5 de dezembro de 1645,  já estava em pé a primeira vila reconhecida pelo governo da Capitania em todo o Vale do Paraíba. Nascia assim a Vila de São Francisco das Chagas de Taubaté, e seu destino pioneiro já estava escrito: dela partiriam as expedições que deram origem às cidades do ouro de Minas Gerais, como Ouro Preto, Mariana, São João Del Rei, Tiradentes e outras.

Com a descoberta do ouro, a vila tornou-se passagem obrigatória de mercadorias: provisões, ferramentas, animais e, claro, ouro. O movimento era tão grande que em 1695 as autoridades portuguesas estabeleceram a primeira Casa de Fundição do Brasil. Por volta de 1715, com a diminuição das expedições paulistas, a economia da vila desacelerou, e assim ficou por quase um século. Foi só com a chegada das plantações de café que a vila voltou a crescer: em 1842 tornou-se cidade. Importantíssimo centro cafeicultor no século XIX, deu a volta por cima na crise do café de 1920, migrando para a plantação de arroz e para a industrialização.

O município de Taubaté chegou ao ano 2000 apontado pela revista Veja (30/08/2010) como um dos 20 municípios brasileiros de porte médio com capacidade para se tornar uma “metrópole do futuro”. A conclusão é resultado de pesquisa promovida junto a 233 municípios brasileiros com população entre 50 e 100 mil habitantes.

 

Turismo

Taubaté é uma cidade grande e com uma longa e importante história. São inúmeros os pontos de interesse turístico. Entre eles destacamos estes para Nossa Turma:

 

Museu de História Natural
Inaugurado em 2004 pela Prefeitura Municipal de Taubaté e administrado pela Fundação de Apoio à Ciência e Natureza, o Museu tem milhares de peças para todos os amantes da história da vida na terra: de dinossauros à insetos, além de auditório para 100 pessoas e dois dioramas - espécie de cenários - onde se pode observar a integração da fauna e da flora na paisagem da Mata Atlântica na região do Vale do Paraíba.

Local: Rua Juvenal Dias de Carvalho, 111

Jardim do Sol, ao lado do Museu de História

 

Museu Mazzaropi
Apresenta um panorama da história e obra de Amácio Mazzaropi, esse inesquecível personagem da cultura popular brasileira. É bom agendar a visita com algum tempo de antecedência. No site http://www.museumazzaropi.org.br/ você também fica conhecendo as ações culturais e educacionais do Museu e Instituto Mazzaropi, e como participar delas.

 

Museu Histórico Pedagógico Monteiro Lobato
Passar por Taubaté e não conhecer o lugar onde nasceu o Sítio do Pica-Pau-Amarelo é o mesmo que ir ao Egito e não ver as pirâmides! Pois a chácara onde Lobato escreveu boa parte de sua obra é hoje um dos museus com maior visitação em todo o interior de São Paulo. Tem livros, móveis e muitas fotos de Lobato e sua turminha. Grupos de monitores fazem apresentações programadas para os visitantes. Se você não tem pó de pirlimpimpim, não se preocupe, pois todo mundo da cidade sabe onde fica: na Chácara do Visconde, Rua Campinas, sem número. Para saber mais: http://www.museumonteirolobato.com.br/. Bom passeio!

Comentários

Estamos aguardando seus comentários. Participe! É super fácil.

rayssa aniela dos santos (11/05/2015)

gostei muito da sua visita na minha escolaeu sou a rayssa lembra de mim eu fis o texto da bola jigante

EM HENRIQUE BOTELHO

IASMIN TOLEDO DA SILVA (18/05/2015)

FOI BOM VC IR NA MINHO ESCOLA GOSTEI MUITO JOGUEI OS JOGOS E APRENDI MUITA COISA E AGORA TROQUEI AS LAMPADAS E NAO ESTA MAIS GASTANDO MUITA ENERGIA MUITO OBRIGADA PELAS ENFORMAES

EM SOLANGE DE PAULA/PONEI AZUL

Deixe seu comentário:

Nome:
Idade:
E-mail:
Escola:
Mensagem:
EDP Bandeirante participa do Aniversário de Pindamonhangaba LEIA MAIS
Unidade Móvel da EDP participa da SIPATMA 2013 na Panasonic LEIA MAIS
Unidade Móvel de Ensino chega à Pindamonhangaba LEIA MAIS
EDP Bandeirante participa de evento em São José dos Campos LEIA MAIS
EDP Bandeirante conclui Cursos de Capacitação em Guarulhos LEIA MAIS
Projeto “Boa Energia nas Escolas” em Caçapava e Pindamonhangaba LEIA MAIS
EDP Bandeirante conclui Reuniões de Sensibilização em Pindamonhangaba LEIA MAIS
EDP Bandeirante realiza Cursos de Capacitação em Tremembé LEIA MAIS
Taubaté recebe o Projeto “Boa Energia nas Escolas” LEIA MAIS
Unidade Móvel de Ensino chega à Cachoeira Paulista LEIA MAIS